Páginas

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Fugit irreparabile tempus


Foge o tempo irreparável. O tempo passa rapidamente e que não devemos desperdiçá-lo. Tento me lembrar disso, mas na prática tudo o que tenho feito é jogar o meu tempo fora com coisas fúteis, ou simplesmente dormindo sem ânimo de levantar da cama. Praticamente abandonei esse blog. 

Sim, eu ainda estou vivo! Passei por maus bocados, fiz uma cistectomia radical para a retirada completa da bexiga e agora uso um "brick" para coletar a urina, que é fixada na minha barriga com cola cirúrgica e que tenho que trocar a cada 3 dias. Preciso retomar a minha história de onde parei, contar todos os detalhes que fizeram com que eu sobrevivesse. Estou em falta com meus leitores. Muitas pessoas com problemas semelhantes ou parecidos me procuram, deixam recado no meu facebook (no orkut pouco tenho entrado). 

Nesse meio tempo perdi dois meio-irmãos. Foi outro grande baque. Mas mesmo que trincado, a vida não conseguiu me estilhaçar. Vai fazer um ano que fiz a tal da cirurgia. Foram dia horríveis, que nem gosto de lembrar. Mas preciso enfrentar os meus medos, afinal posso me considerar um vitorioso.


A fase atual é de exames. Os médicos precisam saber como eu estou. Tenho medo. Protelei, dei tempo ao tempo. Tive depressão. Nem mesmo a força e o apoio dos amigos conseguiram fazer eu me sentir melhor. Amigos presenciais, amigos virtuais... Durante o tempo que fiquei acamado fiz alguns amigos pelo mundo afora. Tinha uma família inteira orando e torcendo por mim lá no Paquistão. Ms isso fica para uma outra postagem à parte. 
video

ABOUT BEAUTY

May beauty be below me 
(Pode ser que a beleza esteja em baixo de mim)

May beauty be above me 
(Pode ser que a beleza esteja acima de mim)

May beauty be behind me
(Pode ser que a beleza esteja atrás de mim)

And may beauty be all around me 
(e pode ser que a beleza esteja em todo o meu redor)

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Na corda bamba sem perder o equilíbrio


Foram 18 dias de internação, 20 bolsas de sangue, e a visita de muitos amigos e familiares... Tive uma hematúria hemorrágica com uma forte perda de sangue. Grandes coágulos que chegaram até mesmo a interromper a micção. Corri para o Pronto Socorro. Fui internado de imediato, com um HB de 6,0. Abaixo de 7,0 é indicada a transfusão de sangue para recuperar hematócrifos e hemoglobina, e para adentrar o centro cirúrgico o HB tem que estar no mínimo com 10.

Passei três dias tomando sangue. O problema maior é que o sangue que eu tomava num dia, perdia no outro. Passei por uma RTU (resecção tumoral). O médico que fez a cirurgia disse que tinha retirado um espessamento da minha bexiga, mas que não tinha aparência de tumor, e que o sangramento era devido à uma cistite actínica. A cistite actínica hemorrágica ocorre em 10% dos pacientes. que receberam irradiação pélvica, e que provavelmente era isso que estava acontecendo comigo por causa da radioterapia a que eu havia me submetido.

Resumindo: O sangramento continuou mesmo depois da cirurgia. A verdade é que os médicos não sabiam o que fazer comigo. A situação estava complicada. Por isso fiquei esses dias todos recebendo transfusão de sangue, para manter o nível de hemoglobina no corpo e permanecer vivo. Cogitaram até mesmo de jogar formol dentro da minha bexiga, para parar com o sangramento, pois segundo eles o formol mata instantaneamente os vasos sanguíneos. O problema é que para o produto ser usado, minha bexiga deveria estar livre de lesões e durante a aplicação eu ainda correria o risco de ter a minha bexiga perfurada.

Conversei com um dos médicos da equipe: "Doutor, sou leigo em medicina, mas do meu ponto de vista não pode ser apenas uma simples irritação da bexiga. O volume de sangue que eu estou perdendo é grande demais para vir de uma imflamação. Por favor,procurem direito. Passo por esse problema há sete anos, e sei que o que sangra é sempre o tumor. Deve haver algum tumor lá escondido, naquilo que vocês chamam de "ponto cego" (área da bexiga que o cistoscópio não consegue visualizar)."

Acredito que foi Deus quem iluminou os médicos e me encaminharam de novo para outra RTU. Como meu HB continuava baixo (8,5) o anestesista se recusou a me anestesiar no centro cirúrgico. Disse aos médicos que não assumiria o risco. Houve um desentendimento entre eles ( e eu creio que foi por intervenção de Deus, pois o médico que deveria me operar não era aquele - Aquele não acharia o tumor. Por isso Deus resolveu adiar a cirurgia).

Dois dias depois, com o HB já regularizado, fui novamente para o centro cirúrgico. Dessa vez o médico que me operou conseguiu ver o tumor que o primeiro não tinha visto, fez a resecção do mesmo, raspou a região e cauterizou a ferida. O sangramento parou na hora. Dois dias depois tive alta.

Daí eu fico me perguntando. um procedimento que deveria ser simples custou tanto a ser realizado e gerou tantas dúvidas entre os membros da equipe médica que eles mesmos se perderam. Será realmente que os médicos estão preparados como imaginamos que eles estão?


A primeira biópsia deu carcinoma. Apesar do médico ter dito que não tinha aparência de tumor, era um tumor. Agora aguardo  o resultado da segunda biópsia para passar pelo oncologista e marcar outra consulta também com o urologista. Mas graças a Deus correu tudo bem e o problema foi detectado. Estou feliz por estar de volta à minha casa. Com dores aqinda, porém me recuperando.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Aflição


E faltou o chão para eu poder apoiar os meus pés, fugiu a coragem que deu lugar à aflição... Fui fazer uma cistoscopia hoje. O resultado eu já sabia: dois novos tumores. O médico não conseguiu ver nada, sei dos tumores por causa de uma ressonância magnética anterior ao exame de hoje. Teria que fazer a cistectomia radical (retirada completa da bexiga), mas devido à radioterapia não será possível. 

E agora, Marcos? Fiz a opção errada. Deveria ter optado logo pela cirurgia. Segundo o médico é uma cirurgia de alto risco. Não quero morrer agora. Tenho medo. Eu me apavoro só de pensar...

Retorno ao médico que me acompanha nos próximos dias, na esperança de que ele possa me dar uma palavra de ânimo. Está cada vez mais difícil... Cada vez mais complicado...